Prado Contabil

FAÇA DO SEU CONHECIMENTO, SUA COMPETÊNCIA...
( eSOCIAL , JÁ É UMA REALIDADE LEGAL NA VIDA JURÍDICA DAS IGREJAS.

Informação Legal Ver todos

FISCALIZAÇÃO RECEITA FEDERAL
RECEITA FEDERAL, FISCALIZA NOSSAS INFORMAÇÕES EM REDES SOCIAIS

Prezado Cliente 

Olá, tudo bem?

Um alerta:

 Receita fiscaliza ostentação nas redes sociais para cruzar informações do IR

 A Receita Federal vai cruzar informações do Imposto de Renda de quem gosta de ostentar nas redes sociais. O ‘Big Brother’ da Receita pode levar muita gente para a malha fina.Aquela selfie no carrão, lanchas, champanhe, muito glamour, os fiscais da Receita estão vendo. E quem tem vida de luxo nas redes sociais e de pobretão na declaração de Imposto de Renda pode ter problemas.Os fiscais da Receita cruzam essas informações desde o ano passado e não contam quantos já foram pegos, exatamente porque não resistiram à ostentação. Um engenheiro,  como muita gente, navega muito pelas redes.“Sempre postando fotos e compartilhando os momentos”, diz.O que ele não sabia é que a Receita está de olho no que os contribuintes andam postando. “Não sabia disso, não sabia mesmo, caramba”, surpreende-se o Engenheiro.

“Tem bastante gente que ostenta bastante e com certeza algumas coisas não são declaradas, e ficam ostentando aí”. 

Esse é o foco da Receita em mais essa temporada de declaração do Imposto de Renda que começou a fazer. 

As declarações que vão chegando são monitoradas. E em um ambiente de segurança máxima, supercomputadores analisam as informações enviadas pelos contribuintes. 

No processamento das declarações do Imposto de Renda, esses computadores estão programados para cruzar todos os dados dos contribuintes e identificar eletronicamente qualquer caso suspeito de fraude. 

A partir dos dados coletados pelo sistema, os auditores vão se deter sobre as declarações que levantaram suspeita e comparar os dados do contribuinte com o que ele posta nas redes sociais. 

O coordenador geral de Fiscalização da Receita Federal, afirma que isso tem sido de grande ajuda ao trabalho de identificar possíveis sonegadores. Ele mostra uma tela com um emaranhado de conexões que um contribuinte investigado pode ter. A partir de um dado, várias pessoas são investigadas. Assim, muita gente acaba caindo de uma vez só na malha fina.

 “O auditor fiscal, na experiência dele, ele identifica, ele vai trabalhando o contribuinte que não tem patrimônio, ele está lá, ele enxerga na rede social, ou dele ou dos filhos, geralmente pessoas relacionadas informando que tem um iate, que tem uma propriedade em tal lugar, um filho, ‘eu viajei para a casa do meu pai na praia, ou numa ilha’, ou em tal situação, ele consegue localizar o patrimônio dessa pessoa e fazer esse vínculo”.

A Receita não dá detalhes, até para não atrapalhar as investigações, mas dois mil ‘contribuintes-ostentação’ já foram pegos porque se exibiram nas redes sociais, contrariando o que estava na declaração de Imposto de Renda. 

Teve o caso de uma pessoa que apresentou uma declaração de milionário, com patrimônio, na empresa, de R$ 100 milhões.

Mas na rede social estava fazendo um churrasquinho na laje, singelo demais.

A Receita Federal descobriu que se tratava de um “laranja”.